Publicações e Eventos
Informativos
02/04/2020

COVID-19 - Manutenção e Reparação Gratuita de Respiradores – Procedimentos Fiscais

Diante da grave situação decorrente do avanço exponencial do número de infectados pela Covid-19, alguns de nossos clientes, em atitude muito louvável, vêm se dispondo a cooperar, de forma gratuita, com o reparo e a manutenção dos respiradores para tratar dos pacientes diagnosticados com o vírus. 

Contudo, diante dos vários questionamentos que nos foram apresentados decidimos, por meio deste Informativo, sugerir uma possível orientação para o cumprimento dos deveres fiscais por parte destas empresas que merecem nosso total apoio. 

Primeiramente, para a análise deste cenário partimos da premissa de que tanto as peças e partes quanto o serviço empregado nestes reparo e manutenção dos aparelhos respiratórios serão totalmente gratuitos, ou seja, sem oneração para os hospitais e/ou clínicas. 

Em segundo lugar devemos esclarecer que a circulação, interna ou interestadual, de tais equipamentos destinados a conserto ou reparo não se sujeita à incidência do ICMS, de acordo com o Convênio AE-15/74 e RICMS-SP/2000 (art. 7º, IX e X). 

Pois bem, diante da exposição das premissas, as seguintes medidas fiscais deverão ser atendidas: 

  • No momento da saída do respirador do hospital/clínica (não contribuinte do ICMS) deverá ser emitida Carta de Circulação referente ao aparelho; 
  • No momento de entrada do respirador na empresa que realizará o reparo, seja no momento da retirada ou da chegada da mercadoria na empresa, esta deverá emitir Nota Fiscal (de entrada) com o CFOP 1.915/2.915; 
  • No momento da devolução do respirador ao hospital/clínica, a empresa reparadora deverá emitir Nota Fiscal com CFOP 5.916/6.916; 
  • Para as peças/partes (gratuitas) utilizadas no conserto/reparo do aparelho, embora não haja a respectiva transação jurídica, mas considerando o corriqueiro entendimento dos Fiscos de sustentar como fato gerador deste imposto a mera movimentação física, a empresa reparadora deverá emitir Nota Fiscal com CFOP 5.949/6949 com o respectivo destaque do ICMS, a fim de permitir a compensação com aquele apropriado na entrada de tais partes e peças; a base de cálculo a ser adotada será a correspondente ao valor de aquisição de tais produtos; 
  • Caso a empresa entenda por não adotar este critério e se pautar pelo argumento de que gratuidade implica a inexistência do pressuposto para a incidência e o respectivo destaque do ICMS, então o crédito deverá ser estornado ou, melhor ainda, sequer apropriado, na medida em que já se reconhece antecipadamente de que inexistirá a cobrança de qualquer valor quando do emprego destas partes e peças no reparo e/ou manutenção dos respiradores. 

Por fim, a respeito da prestação de serviços realizada pela empresa, considerando mais uma vez que será realizada de forma gratuita, seguindo o entendimento proferido pela Prefeitura de São Paulo bem como pelo STJ, entendemos que não haverá incidência de ISS vez que não há base de cálculo para a sua incidência, bem como ficam dispensadas as obrigações acessórias.  

Sendo essas as nossas considerações, ficamos à disposição para eventuais questionamentos sobre o tema e esperamos que mais empresas possam ajudar no controle dessa pandemia. 

Atenciosamente,

Pedro Guilherme Accorsi Lunardelli

Alexander Silveiro Cainzos

Alessandra Mie Ikehara Katori
Para obter edições anteriores envie sua solicitação para adv@advocacialunardelli.com.br ou acesse nossa área de contato
clique aqui